Além do que se ganha em compreensão, conhecimento de si e dos outros por intermédio das grandes obras da tradição, é preciso saber que elas podem simplesmente ajudar a viver melhor e mais livremente […] Aprender a viver, aprender a não mais temer em vão as diferentes faces da morte, ou, simplesmente superar a banalidade da vida cotidiana, o tédio, o tempo que passa, já era o principal objetivo das escolas da Antiguidade Grega. A mensagem delas merecer ser ouvida, pois, diferentemente do que acontece na história da ciência, as filosofias do passado ainda nos falam.

Luc Ferry, Aprender a viver: filosofia para os novos tempos, pag. 16-17. Editora Objetiva.