Solidão

Solidão é uma faca de dois gumes.
O suficiente abre portais para a imaginação.
Demais ao desespero.
Às vezes, maravilhas iluminadoras;
às vezes chorando no deserto.
Envolver o universo silencioso e inexplicável
pode causar visão ou tremores.
As matérias-primas grosseiras da poesia:
um casamento de êxtase e horror.
Tudo é uma lição em potencial
e a morte sussurra: é melhor aprender rápido.
Os poetas examinam infinitas palavras
na esperança de descobrir encantamentos,
as fórmulas misteriosas que amenizam
a dor de um mundo destruído,
uma mágica para transformar o chumbo da vida
em frases adoráveis ​​de ouro.
É uma alquimia empoderadora
e repleta de falhas infelizes.
A solidão corta a alma
e o corte a torna inteira.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *