Quando nos apressamos em nossos dias, deixamos de notar a beleza simples de viver

Ao longo de nossas vidas, somos ensinados a valorizar a velocidade e fazer as coisas rapidamente. Aprendemos que fazer é mais valioso do que simplesmente ser, e que aproveitar ao máximo a vida é seguir em frente a passos rápidos.

No entanto, a medida que avançamos em busca de algum sentimento indescritível de realização, descobrimos que nos sentirmos cada vez mais atormentados e desconectados. Mais importante deixamos de notar a beleza simples de viver.

Quando aprendemos a desacelerar, redescobrimos o significado de aspectos aparentemente inconsequentes da vida. As refeições tornam-se celebrações meditativas de nutrição. Um trabalho bem executado se torna uma fonte de profundo prazer.

Em essência, nós nos damos o presente do tempo – tempo para satisfazer nossa curiosidade, para aproveitar o momento, para apreciar as maravilhas do mundo, para sentar e pensar, para nos conectarmos com os outros.

Uma vida saboreada lentamente não precisa ser passiva, ineficiente ou preguiçosa. Conduzir-nos em um ritmo mais lento nos permite ser seletivos na maneira como gastamos nosso tempo e valorizar plenamente cada momento que passa. A lentidão pode até ser uma vantagem em situações que parecem exigir pressa. Quando nos controlamos, mesmo que por alguns momentos, enquanto tratamos de “assuntos urgentes”, podemos nos concentrar antes de seguir em frente com nossos planos.

Abraçar a simplicidade nos permite eliminar gradualmente de nossas vidas os compromissos e atividades que não nos beneficiam de alguma forma. O tempo extra que consequentemente ganhamos pode parecer extensões vastas e vazias de potencial desperdiçado. Mas, à medida que aprendemos a diminuir o ritmo, logo percebemos que eliminar a rapidez desnecessária de nossas experiências nos permite preencher esse tempo de maneira construtiva, gratificante e agradável.

Você pode achar desafiador evitar a tentação de correr, especialmente se você se acostumou a um mundo de comunicação em frações de segundos, smartphones, caixa de e-mail lotada, agendas lotas, milhares de stories e status, boletos com péssimas datas para vencer. No entanto, a sensação de “realização continua” que você perde ao desacelerar será rapidamente substituída por uma sensação de magnifico contentamento. Seu ritmo relaxado abrirá sua mente e coração pra níveis mais profundos de consciência que o ajudarão a descobrir a verdadeira glória de estar vivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *