Por favor, pare de normalizar a obesidade

Eu tenho que começar este post dizendo isso. Ser obeso é uma escolha (fácil ou não, ainda assim uma escolha).

Movimentos de positividade corporal tentam nos fazer aceitar a obesidade. A obesidade está normalizada, e até comemorada.

De alguma forma, estamos convencidos de que nossos sentimentos são mais importantes do que nossa saúde.

Eu entendo a lógica por trás da positividade corporal. Eu entendo o quando as pessoas precisam se sentir aceitas. É uma necessidade universal.

Mas “a positividade corporal” está fazendo mais mal do que bem. Porque acredito que é melhor ser franco e salvar sua vida do que mentir e deixar você morrer.

Ser hostil com pessoas gordas? – Completamente inaceitável.

Mas celebrar a obesidade? – Não.

As complicações da obesidade são muitas, uma listagem rápida:

  • Hipertensão
  • Doença arterial coronariana
  • Insuficiência cardíaca crônica
  • Dispneia respiratória
  • Apneia do sono
  • Embolia pulmonar
  • Disfunções gastrointestinais
  • Distúrbios endócrinos
  • Aumento do risco de doenças neoplásicas
  • Lesões nas articulações e estresse que podem causar artrite

Primeira Etapa: Admitindo Responsabilidade

Em vez de atribuir a culpa a todos e a tudo, exceto a nós mesmos, o primeiro passo para tratar a obesidade é admitir que somos responsáveis ​​por ela.

A alimentação crônica é a principal razão pela qual as pessoas ficam obesas.

Quando você é obeso, é mais difícil controlar seu apetite e seus hormônios estão um pouco contra você, mas são as suas más decisões crônicas que causam a obesidade.

Então, com isso esclarecido, vamos ver como podemos tratar a obesidade.

A necessidade de comer demais é normal

Comida é mais do que apenas sobrevivência para a maioria de nós. Nós também comemos para nos divertir.

A comida é uma das nossas maiores alegrias na vida. É normal desejar comida.

É normal desejar todos os alimentos que engordam, como pastelaria, doces, chocolate, hambúrgueres, pizza, etc.

Fomos feitos para ansiar por esses alimentos. Eles são ricos em açúcares, gorduras e sal.

Nossos corpos desejam esses 3 nutrientes mais do que qualquer outra coisa. É um mecanismo de sobrevivência.

Comer em excesso como mecanismo de enfrentamento do estresse

Para muitas pessoas, isso é um problema. Eles comem seus sentimentos. É uma das principais causas da obesidade.

A maioria de nós leva uma vida estressante. Acrescente a isso a luta diária de relacionamentos e trabalho, e muitas pessoas se voltam para a comida em busca de conforto.

Se você vê comer como uma forma de relaxar, vai comer mais do que o necessário. E não serão as escolhas saudáveis. Será algo para fazer você se sentir bem, algo para liberar muita dopamina.

Como realmente lidar com a obesidade

Qual é a solução?

Uma vida estressante, o desejo de comer alimentos que engordam e uma superabundância de comida barata e gordurosa é uma receita para o desastre.

Para resolver isso, temos que mudar nossas mentalidades.

Como eu disse antes, primeiro temos que assumir a responsabilidade. Está em nosso poder perder peso. Você não pode mudar nada em sua vida se não admitir que há um problema primeiro.

Depois de fazer isso, temos que começar a ver os alimentos como combustível em vez de algo que nos faça felizes.

Podemos, é claro, saborear nossa comida, mas não devemos usá-la como muleta.

Devemos também aprender mais sobre nutrição.

E em vez de usar alimentos para compensar nossa saúde mental, devemos tentar reduzir o estresse em nossas vidas.

Se você criar um bom plano de nutrição e segui-lo, você perderá peso. É um fato.

Amor próprio não deveria estar matando você; A positividade corporal tenta passar por um movimento de amor-próprio e autoaceitação. Mas se realmente nos amássemos, estaríamos nos mantendo magros e em forma. Sou totalmente a favor da auto-aceitação e do amor-próprio.

Como é a positividade corporal para o amor próprio se você está se matando lentamente?

Todo esse peso extra está matando as pessoas lentamente, e não podemos continuar ignorando isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *