Como a filosofia pode ajudá-lo a encontrar satisfação?

As principais máximas de Epicuro para uma vida de paz, contentamento e felicidade.


Há um equívoco em torno de Epicuro para aqueles que nunca se aprofundaram em sua filosofia. A maioria associa Epicuro ao prazer, desejos materiais e gratificação instantânea quando, na verdade, isso não é verdade.

Em vez disso, a Filosofia de Epicuro geralmente associa felicidade genuína ao estudo da Filosofia, a busca da sabedoria.

Este artigo tenta explicar o raciocínio por trás dessa crença e analisa como você pode aplicar isso à sua vida cotidiana.

Epicuro enfatizou que, para alcançar uma saúde mental positiva, devemos buscar a filosofia – mesmo desde tenra idade.

Carta à Meneceu

Dentro de sua carta à Meneceu, ele descreve os usos da filosofia ao tentar alcançar a felicidade. Para alcançar a felicidade, Epicuro traça três ferramentas principais que devemos adotar.

Amizade

Amizade – para alcançar a felicidade genuína, precisamos nos cercar de amigos genuínos que cuidam de nós e oferecem companheirismo. Penso que isso é algo que todos procuramos instintivamente: a solidão é algo associado, geralmente à infelicidade. A companhia pode ser romântica e não romântica.

Auto-suficiência – enquanto é importante ter amigos para companhia; também não devemos nos tornar excessivamente dependentes de qualquer pessoa ou coisa. Como tal, estamos errados ao confiar em qualquer coisa. Devemos buscar auto-suficiência, tanto mental quanto fisicamente.

Um exemplo disso é apresentado pelo fato de Epicuro ter uma vida simples; comendo pão e azeitonas que ele próprio produziu, em vez de depender de agricultores externos.

Reflexão clara – a ferramenta final que devemos adotar para o contentamento diz respeito à reflexão clara. É aqui que a importância da filosofia se vincula. A reflexão clara nos permite apreciar adequadamente quaisquer eventos que ocorrem em nossas vidas – sejam eles positivos ou negativos.


Portanto, o principal a tirar disso é cercar-se de boas companhia, mas não se tornar excessivamente dependente. A felicidade genuína vem de dentro – então trabalhe na companhia sendo uma escolha e não uma necessidade, porque enquanto a amizade é boa; você deve se contentar mesmo na sua ausência. Depois de conseguir isso, a verdadeira felicidade se seguirá. Por fim, certifique-se de focar e apreciar as coisas que você tem pelo que elas são, em vez de se fixar nas coisas que o deixam infeliz.


Na morte.

Cumpriu sua sentença. Encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca do nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo, morre!
Ariano Suassuna

A morte é algo que qualquer pessoa racional terá ao menos algum receio, pois apresenta um desconhecido para nós. É uma das poucas certezas da nossa vida (se é que temos mais alguma): todos nós, em algum momento, morreremos.

No entanto, para alcançar o verdadeiro contentamento; Epicuro afirma que devemos aceitar a morte – e através da contemplação racional, devemos concluir que a morte não significa nada para nós.

Habitua-te a pensar que a morte nada é para nós, visto que todo o mal e todo o bem se encontram na sensibilidade: e a morte é a privação da sensibilidade Epicuro

Eu acho que isso tem importância na vida cotidiana quando se tenta alcançar a felicidade – afinal, nossa morte é algo que está além do nosso poder e controle.

É insensato aquele que diz temer a morte, não porque ela o aflija quando sobrevier, mas porque o aflige o prevê-la: o que não nos perturba quando está presente inutilmente nos perturba também enquanto o esperamos Epicuro

Sobre Prazer e Dor.

Epicuro enfatizou principalmente a busca do prazer como o bem supremo – portanto, é preciso ter como objetivo alcançá-lo. Contrário à crença popular, Epicuro realmente condenou a vida impulsionada por prazeres materiais, com base em que levará a dores futuras (e na vida, devemos procurar maximizar o prazer geral sobre a satisfação de um pequeno prazer material).

Epicuro delineou três tipos diferentes de prazer: natural e essencial (como comida e água), natural e não essencial (como desejos sexuais) e antinatural e não essencial.

No geral, para alcançar um contentamento genuíno – precisamos buscar apenas o o natural e essencial e o natural e não essencial com moderação, e devemos evitar o antinatural e não essencial.

Nesse caso, a filosofia tem importância, pois permite sermos prudentes em relação a desejos falsos – antinaturais e não essenciais. São coisas que inicialmente desejamos, porque elas proporcionam breves rajadas de prazer, mas com o tempo elas inevitavelmente levarão à dor. Ao evitá-los, poderemos concentrar nossa atenção em prazeres genuínos que nos permitirão alcançar a felicidade.

De uma perspectiva filosófica, podemos nos referir à isso como “pensamento sóbrio”, sendo esta a nossa capacidade de diferenciar racionalmente entre prazeres falsos e prazeres genuínos.

Considerações Finais

O pensamento epicurista oferece conselhos valiosos para a vida cotidiana, para aumento da felicidade e o contentamento genuíno.

Cerque-se de boas companhias, mas isso isso como uma escolha.

Reflita racional e claramente sobre suas preocupações – aprecie o que você tem e não deixe algo que não pode controlar; como a morte, atrapalhe a sua felicidade.

Exerça um pensamento sóbrio e siga apenas os desejos que oferecerão prazer genuíno.

Se você fizer todas essas coisas, estará no caminho da satisfação.

Recomendações de Leitura


carta-sobre-a-felicidade

 

Carta Sobre a Felicidade

Que ninguém hesite em se dedicar à filosofia enquanto jovem, nem se canse de fazê-lo depois de velho, porque ninguém jamais é demasiado jovem ou demasiado velho para alcançar a saúde do espírito.

Quem afirma que a hora de dedicar-se à filosofia ainda não chegou, ou que ela já passou, é como se dissesse que ainda não chegou ou que já passou a hora de ser feliz.

Desse modo, a filosofia é útil tanto ao jovem quanto ao velho: para quem está envelhecendo sentir-se rejuvenescer através da grata recordação das coisas que já se foram, e para o jovem poder envelhecer sem sentir medo das coisas que estão por vir; é necessário, portanto, cuidar das coisas que trazem a felicidade, já que, estando esta presente, tudo temos, e, sem ela, tudo fazemos para alcançá-la…


Para manter-se atualizado sobre novas publicações, inscreva-se no canal no telegram.Também estou no Twitter – fique à vontade para seguir e dizer um oi!


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *