A ilha do conhecimento

À medida que a Ilha do Conhecimento cresce, também crescem as margens da nossa ignorância – a fronteira entre o conhecido e o desconhecido. Aprender mais sobre o mundo não leva a um ponto mais próximo de um destino final – cuja existência nada mais é do que uma suposição esperançosa – mas a mais perguntas e mistérios. Quanto mais sabemos, mais expostos estamos à nossa ignorância.


Sempre tentamos entender o mundo em que vivemos. E, no entanto, quanto podemos realmente saber? Quais são as limitações da ciência?

Em seu livro A ilha do conhecimento: os limites da ciência e a busca por sentido, o Físico Marcelo Gleiser traça o progresso da ciência e seus limites.

Embora a ciência não seja a única maneira de ver e descrever o mundo em que vivemos, é uma buscadora por resposta às perguntas sobre quem somos, onde estamos e como chegamos aqui.

A ciência fala diretamente à nossa humanidade, à nossa busca por luz, cada vez mais luz.

Estamos cercados por horizontes, por incompletude escreve. Em vez de desistir, lutamos. O que nos torna humanos é essa jornada para entender mais sobre os mistérios do mundo e explicá-los com razão.

O que vejo na natureza é uma estrutura magnífica que só podemos compreender
imperfeitamente, e que deve encher uma pessoa pensante com um sentimento de humildade.

O que vemos do mundo é apenas uma fatia do que está por aí.

Há muita coisa invisível aos olhos, mesmo quando aumentamos nossa percepção sensorial com telescópios, microscópios e outras ferramentas de exploração. Como nossos sentidos, todo instrumento tem um alcance. Como grande parte da natureza permanece escondida de nós, nossa visão do mundo se baseia apenas na fração da realidade que podemos medir e analisar.

A ciência, como nossa narrativa que descreve o que vemos e o que conjeturamos existe no mundo natural, é, portanto, necessariamente limitada, contando apenas parte da história. (…)

Nós nos esforçamos em direção ao conhecimento, sempre mais conhecimento, mas devemos entender que estamos e permaneceremos cercados de mistério.

Essa visão não é anti-científica nem derrotista. … Pelo contrário, é o flerte com esse mistério, o desejo de ir além das fronteiras do conhecido, que alimenta nosso impulso criativo, que nos faz querer saber mais.

A realidade é um mosaico de idéias em constante mudança.

O que sabemos sobre o mundo é apenas o que podemos detectar e medir – mesmo que melhoremos nossa “detecção e medição” com o passar do tempo. E assim tiramos nossas conclusões da realidade sobre o que atualmente podemos “ver”.

Considere, então, a soma total de nosso conhecimento acumulado como constituindo uma ilha, que eu chamo de “Ilha do Conhecimento”. … Um vasto oceano circunda a Ilha do Conhecimento, o oceano inexplorado do desconhecido, ocultando inúmeros mistérios tentadores.

A Ilha do Conhecimento cresce à medida que aprendemos mais sobre o mundo e sobre nós mesmos. E, no entanto, à medida que a ilha cresce, também crescem as margens da nossa ignorância – a fronteira entre o conhecido e o desconhecido.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *